Luis.jpg

LUIZ GUILHERME POZZI,

piano

DOMINGO | 06 DE JUNHO | 11H30

L. V. Beethoven (1870-1827)
32 Variações em dó menor WoO 80 (1806)

 

F. Chopin (1810-1849)
Balada n. 4 em fá menor, op. 52 (1842)

 

C. Debussy (1862-1918)
L’Isle Joyeuse (1904)

 

S. Prokofieff (1891-1953)
Sonata n. 7 em si b maior, op. 83 (1939-42)

Allegro inquieto

Andante caloroso

Precipitato

O pianista LUIZ GUILHERME POZZI nasceu em Cornélio Procópio, no interior do Paraná, em 1979. Ganhou mais de 10 concursos de piano em seu país, dentre eles o “Concurso Bach”, no Rio de Janeiro, e o “Grande Concurso Guiomar Novaes”, em São Paulo. Graduou-se na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, na classe da pianista e professora russa Olga Kiun. Na Alemanha, foi classificado em 1º lugar na prova de admissão da Escola Superior de Música de Freiburg, onde aperfeiçoou-se durante dois anos com o professor russo Felix Gottlieb. Nesse mesmo ano foi premiado com a bolsa integral da “Internationale Klavierakademie Murrhardt”. Posteriormente integrou a classe do grande pedagogo russo Alexander Satz, na Universidade de Artes de Graz, na Áustria, onde foi diplomado com distinção. Com a morte de seu professor, o pianista regressou ao brasil e, não obtendo a validação de seus diplomas europeus, retomou os estudos acadêmicos no Brasil e obteve o título de mestre em música pela Universidade Estadual de Campinas, onde pesquisou sobre a obra de Harry Crowl e o de doutor na Universidade de São Paulo (USP) sob a orientação de Eduardo Monteiro, com tese sobre Brahms. Em seu projeto de pós-doutorado junto à USP, pesquisa sobre a flexibilidade de tempo em Beethoven.

 

Além de se apresentar regularmente como recitalista, camerista e solista em concertos com orquestra, é professor de piano e música de câmara na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP), conduz a cátedra de piano erudito da Faculdade Santa Marcelina e também dá aulas de piano e música de câmara na Universidade de São Paulo. Seu CD de estreia gravado ao vivo com a Sonata Op. 5 de Brahms e a Sonata em si menor de Liszt ganhou a categoria revelação do 26º Prêmio da Música Brasileira, o prêmio máximo da indústria fonográfica brasileira.  

 

“Luiz Guilherme Pozzi arrebatou a plateia com uma interpretação furiosa da 7ª sonata de Prokofiev.”

Arthur Nestrovski, Folha de São Paulo  

 

“Ele tem a seu favor uma facilidade técnica excepcional e uma audição realmente privilegiada.”

Rodrigo Browne, Gazeta do Povo  

 

“O som que o pianista extraiu do piano através de suas mãos gigantescas fez a sala de concertos tremer… O público ficou extasiado com sua interpretação de Chopin, na qual nos brindou com uma performance emocional e sem medo de cometer riscos, características de seu temperamento brasileiro.”

Murrhardt Zeitung, Alemanha