F.sco D'Orazio.JPG

FRANCESCO D'ORAZIO
violino

FRANCESCO D'ORAZIO nasceu em Bari e iniciou seus estudos de violino e viola com o pai. Posteriormente, foi orientado por Denes Zsigmondy no Mozarteum de Salzburg e Yair Kless na Academia Rubin de Tel Aviv. Em 2010, a Associação Nacional de Críticos de Música da Itália concedeu-lhe o Prêmio Abbiati de Melhor Solista do ano.

 

Já se apresentou por toda a Europa – em salas como o Teatro alla Scala de Milão, Filarmônica de Berlim, Academia Nacional Santa Cecilia de Roma, Royal Albert Hall de Londres – América do Norte, do Sul, México, Austrália, China e Japão. Gravou para Decca, Hyperion, Opus 111/Naive, Stradivarius e Amadeus.

Seu amplo repertório inclui desde música antiga, como violinista do conjunto de instrumentos originais L'Astrée de Turim, até música contemporânea. Estreou obras de Terry Riley, Brett Dean, Ivan Fedele, Michael Nyman, Michele dall'Ongaro, Vito Palumbo, Maury Buchala, Marcello Panni, Fabio Vacchi, Gilberto Bosco, Marco Betta, Fabian Panisello e Valerio Sannicandro. Trabalhou com Luciano Berio, tendo estreado seu Divertimento para trio de cordas no Festival de Strasburg, executado a Sequenza VIII nos Festivais de Salzbourg e Tanglewood e solado Corale, para violino e orquestra, na Citè de la Musique em Paris e no Auditório Nacional de Madrid, dirigido pelo compositor.

Foi solista das Sinfônicas de Londres, da BBC, de Berlim, Orquestra do Teatro alla Scala e do Teatro La Fenice de Veneza, RAI, Orquestra National da Ile de France, Filarmônicas de Shangai, da Cidade do México, de Nagoya, Saarlandischer Rundfunk, dentre outras. Apresentou-se com regentes como Lorin Maazel, Hubert Soudant, Pascal Rophé, Luciano Berio, Ingo Metzmacher, Sakari Oramo, Steven Mercurio, Daniel Kawka, Zuohang Chen, Aaron Jay Kernis, Ottavio Dantone, Arturo Tamayo e Hansjorg Schellenberger.

Francesco D’Orazio toca em um violino Giuseppe Guarneri, “Comte de Cabriac”, Cremona 1711 e em um Jean Baptiste Vuillaume, construído em Paris em 1863.

Erika copy.jpg

ÉRIKA RIBEIRO
piano

ÉRIKA RIBEIRO é considerada uma das pianistas mais destacadas de sua geração. Sua musicalidade singular e grande versatilidade levam-na a combinar diversos estilos pianísticos, os quais aborda tanto em sua maneira de tocar quanto nos repertórios que interpreta.

Vencedora de 10 concursos nacionais de piano – entre eles o III Concurso Nelson Freire, e premiada em mais de 20, Erika tem se apresentado como solista nas principais salas de concerto do país, como Sala São Paulo, Sala Minas Gerais, Theatro Municipal de São Paulo, Theatro Pedro II, Cidade das Artes, Sala Cecilia Meirelles. Atuou como solista à frente da OSB, Filarmônica de Minas Gerais, Sinfônica Nacional, Orquestra Experimental de Repertório, Sinfônica do Espírito Santo, Filarmônica de Gaia (Portugal), de Kalisz (Polônia), dentre muitas outras.

Seu primeiro CD “Images of Brazil” em parceria com a violinista americana Francesca Anderegg, lançado pelo selo Naxos Latin Classics Series, recebeu elogiosos comentários da crítica especializada, que o classificou como “um dos melhores discos de 2019” (João Marcos Coelho, Rádio Cultura FM) e como “Imagens do que o Brasil tem de melhor” (Irineu Franco Perpetuo, Revista Concerto).

Erika iniciou seus estudos musicais com sua mãe aos quatro anos de idade. Cursou a Escola de Música de Piracicaba e a Universidade de São Paulo, concluindo seu Mestrado com o pianista Eduardo Monteiro. Estudou na tradicional Hochschule für Musik ‘Hanns Eisler’ em Berlim, e participou de cursos de aperfeiçoamento pianístico nos Estados Unidos, Suíça e França. Em 2019 obteve o título de Doutora com tese sobre Egberto Gismonti. É professora de Piano e Música de Câmara do Departamento de Piano e Cordas da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UNIRIO.

DOMINGO | 08 DE MAIO | 11H30

PROGRAMA  
 

L. v. BEETHOVEN (1870-1827)

Sonata para violino e piano n. 5, Op. 24, em fá maior (1800-01)

Allegro

Adagio molto espressivo

Scherzo: Allegro molto

Rondo: Allegro ma non troppo

 

ARVO PÄRT (1935)

Spiegel im Spiegel (1978)

 

M. RAVEL (1875 -1937)

Sonata (1923-27)

Allegretto

Blues. Moderato

Perpetuum mobile. Allegro

selo Presencial (1).png