ERIKA  RIBEIRO

piano

Conhecida pela elegância, inteligência e sutileza de suas interpretações, a pianista ERIKA RIBEIRO é considerada uma das artistas mais destacadas de sua geração. Sua musicalidade singular e grande versatilidade levam-na a combinar em sua carreira, com igual desenvoltura, trabalhos como solista, recitalista e camerista.

Vencedora de 10 concursos nacionais de piano – entre eles o III Concurso Nelson Freire, e premiada em mais de 20, Erika tem se apresentado como solista nas principais salas de concerto do país, como Sala São Paulo, Sala Minas Gerais, Theatro Municipal de São Paulo, Theatro Pedro II, Cidade das Artes, Sala Cecília Meirelles, etc. Atuou como solista à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira, Filarmônica de Minas Gerais, Sinfônica Nacional, Orquestra Experimental de Repertório, Sinfônica do Espirito Santo, Filarmônica de Gaia (Portugal), Filarmônica de Kalisz (Polônia), dentre muitas outras. Realiza com frequência parcerias ao lado de destacados maestros e músicos.

Seu primeiro CD “Images of Brazil” em parceria com a violinista americana Francesca Anderegg, lançado recentemente pelo selo Naxos Latin Classics Series, recebeu elogiosos comentários da crítica especializada, que o classificou como “um dos melhores discos de 2019” (João Marcos Coelho, Rádio Cultura FM) e como “Imagens do que o Brasil tem de melhor” (Irineu Franco Perpetuo, Revista Concerto).

Erika iniciou seus estudos musicais com sua mãe aos quatro anos de idade. Cursou a Escola de Música de Piracicaba e a Universidade de São Paulo, concluindo seu Mestrado em Música sob orientação de Eduardo Monteiro. Estudou durante dois anos na tradicional Hochschule für Musik ‘Hanns Eisler’ em Berlim (Alemanha), e participou de cursos de aperfeiçoamento pianístico nos Estados Unidos, Suíça e França. Em 2019 obteve o título de Doutora com a tese “O pianismo e seus elementos na música de Egberto Gismonti”. É professora de Piano e Música de Câmara e atual chefe do Departamento de Piano e Cordas da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UNIRIO.

ALEJANDRO ALDANA

violino

ALEJANDRO ALDANA é Spalla da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo desde 2018. Entre 2011 e 2015, foi Spalla da OSB. Na Alemanha, tocou na Orquestra da Ópera de Stuttgart e foi Spalla convidado da Ópera de Frankfurt e da Museumsorchester. Já tocou com Valery Gergiev, Herbert Bloomstedt, Iván Fischer, Manfred Honeck, Temirkanov, Charles Dutoit, Daniel Harding, Pierre Boulez, Gustavo Dudamel, Seymon Bychkov, Tilson Thomas, Christoph Eschenbach, Jap van Zweeden, Christoph Dohnany, Eiji Oue. Alejandro mantém uma intensa atividade como solista, já tendo se apresentado com várias orquestras do Brasil (Sinfônica do Theatro Muncipal de Sao Paulo, OSB, USP-Filarmônica), Argentina (Sinfônica de Mar del Plata, de Rosario, Filarmônica de Rio Negro), da Alemanha e da Itália. Também se apresenta com diversas formações de música de câmara. Em outubro de 2018 fez o seu Debut na Grande Sala do Teatro Colón com as sonatas de Beethoven e de Mauricio Kagel para piano e violino. Foi vencedor dos seguintes concursos internacionais: El sonido y el Tiempo, em Buenos Aires; F. Zadra, na Itália; e Northan Music College, em Buenos Aires.

Alejandro Aldana nasceu no Brasil e, aos sete anos, mudou-se para a Argentina. Estudou no Instituto Universitário Patagônico de Artes com os Professores Elvira Faseeva e Ljerko Spiller onde formou-se como Professor de violino. Estudou ainda na Universidade de Frankfurt com Walter Forchert. Fez master class com Christian Tettzlaff e Julia Fischer. Participou dos festivais internacionais de Verbier, Lucerne Academy, Schlewsig Holstein e YOA.

DOMINGO | 18 DE OUTUBRO | 11H30

L. V. Beethoven (1770-1827)
Sonata para violino e piano n. 5, em fá maior, op. 24, “Primavera” (1800-01)    

      Allegro

      Adagio molto espressivo

      Scherzo. Allegro molto - Trio

      Rondo. Allegro ma non troppo

 

 

C. Debussy (1862-1918)
Sonata para violino e piano (1917)

      Allegro vivo

      Intermède: fantasque et léger

      Finale: très animé

 

 

C. Franck (1822-1890)
Sonata em lá maior para piano e violino (1886)

      Allegretto ben moderato

      Allegro

      Recitativo-Fantasia: Ben moderato

      Allegretto poco mosso

© 2020 Temporada de concertos   l   Fundação Maria Luisa e Oscar Americano.